Jeremy Irons quer ver a Lisboa histórica protegida

A rodar em Lisboa uma co-produção europeia, o filme Comboio Nocturno para Lisboa, o actor Jeremy Irons alertou hoje, em conferência de imprensa, para a necessidade de se preservar a zona histórica de Lisboa, que, no seu entender, constitui “uma verdadeira jóia”.

Alojado num palácio junto ao Castelo de S. Jorge, o britânico conhecido pelas personagens de moralidade dúbia que costuma interpretar afirmou-se chocado com os aglomerados de prédios nos arredores de Lisboa que viu nestes dias. “É uma pena”, declarou, elogiando, ao mesmo tempo, o potencial da cidade e do país.

“Vocês têm de perceber aquilo que têm na Lisboa antiga”, disse, acrescentando que o mesmo tipo de erros urbanísticos foram cometidos Europa fora. Jeremy Irons – um apaixonado por castelos antigos, tendo já comprado e reabilitado um destes monumentos – falava numa conferência em que estiveram presentes o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e os secretários de Estado do Turismo e da Cultura, respectivamente Cecília Meireles e Francisco José Viegas. Questionado sobre as advertências do actor, Francisco José Viegas disse ser da mesma opinião: “A valorização do património e da paisagem é uma das perspectivas da secretaria de Estado”, referiu, criticando o facto de “não se ter feito conservação preventiva durante os últimos anos”.

Vestido de maneira informal, com botas e um casaco de capuz abotoado até acima, Irons foi recebido nos Paços do Concelho com a restante equipa do filme, incluindo o realizador dinamarquês Billie August. Apesar de não ter financiado parte do filme, ao contrário do que chegou a estar previsto, a autarquia cedeu o Palácio de Santa Catarina, na Bica, para sede dos trabalhos e local de filmagens. Orçado em 7,7 milhões de euros, conta a história de um professor de latim suiço cuja vida rotineira sofre uma reviravolta quando decide embarcar para Portugal após ter ido à estação entregar o casaco perdido de uma rapariga que salvara do suicídio. Num bolso do casaco há um livro de um escritor português, Amadeo de Prado, um médico anti-salazarista.

August, que há duas décadas tinha estado no Alentejo a realizar A Casa dos Espíritos, também com Irons, descreve o filme, que se baseia num best-seller de Pascal Mercier, como um “thriller filosófico”: centra-se num homem que tenta dar um sentido à vida quando já tinha desistido dela. A Secretaria de Estado da Cultura contribuiu com 195 mil euros, enquanto o Turismo de Lisboa e o Turismo de Portugal com 250 mil. Num momento de austeridade, o país devia estar mais aberto a acolher a rodagem de produções estrangeiras, defendeu Irons, que espera poder regressar um dia a Portugal para mais filmagens. É que apesar dos seus 63 anos não pensa em deixar ecrãs e palcos tão cedo: “Não estou a pensar em reformar-me”.

Ana Henriques, Público

http://www.publico.pt/Cultura/jeremy-irons-quer-ver-a-lisboa-historica-protegida-1542199#.T4vNG_R0KB4.facebook

About Marc Leprêtre

Marc Leprêtre is researcher in sociolinguistics, history and political science. Born in Etterbeek (Belgium), he lives in Barcelona (Spain) since 1982. He holds a PhD in History and a BA in Sociolinguistics. He is currently head of studies and prospective at the Centre for Contemporary Affairs (Government of Catalonia). Devoted Springsteen and Barça fan…
This entry was posted in Entertainment, arts and sports. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s